sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Tudo que é verde um dia fica maduro.

Em um mês, o blog menos comentado e visitado da história da internet vai reaparecer de cara, dono e cor novos para você.
Isso se é que existe um você.
Aguarde.

sábado, 23 de agosto de 2008

Título

Não tem nada referente com as olimpiadas.
Necessito trocar o título do meu blog. Como o " blog de um futuro comunicólogo desempregado" pode se chamar assim se o seu dono conseguiu um trabalho?!?!?
Vou matutar sobre isso e logo logo deve ter outro novinho em folha, quer dizer, em html...

sábado, 16 de agosto de 2008

Record(e/ar)

Ao ver César Cielo ganhar a medalha de ouro, tive um sentimento inusitado se comparado com o resto da torcida brasileira: além de feliz eu tive uma ponta de ciúme. Não ciúme de querer ter a medalha dele. É muito mais que isso. Queria por um segundo voltar a ter a sensação boa que é terminar uma prova, olhar para o placar eletrônico e ver o resultado da sua classificação.
Acho que pra mim relembrar esse momento seria melhor do que ganhar uma medalha de ouro em Pequim. Só quem foi atleta sabe.

domingo, 3 de agosto de 2008

Quem disse que melancia não se espreme?

Estava lá eu perambulando pelo site da uol (que pra ser franco é uma porcaria) quando me deparo com uma chamada especial. Falava sobre um assunto importantíssimo: Flagras da mulher melância na praia.
Até ai tudo bem, o site não presta mesmo. Mas lá fui eu conferir a naturalidade dela, sem photoshop ou outros aditivos. Porém o que mais me surpreendeu foi a falta disso. Meio que tava tudo armado. Ela abaixava pra arrumar a canga mostrando o útero logo para o lado onde a camêra "escondida" flagrava tudo. Nem o fotógrafo da playboy conseguiria tal ângulo, mas o nosso amigão "escondido" conseguiu um belo "furo" (com perdão do trocadilho) para o site.
E para por fim a tudo tinha outra manchete sobre ela no mesmo site. Dizia que existe a possibilidade dela posar nua mais uma vez esse ano. Seria a terceira vez.
Sò falta ela querer fazer filme porno agora. Mas não, ela não faz. Photoshop é para 2d, after effect não tem como dar jeito.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

6 ou meia dúzia, seria esta a questão?

Tanto se falou no Eurico Mirando. Autoritário notório, isso é fato. Mas o que não se pode negar é que ele era um presidente de peso (literalmente), conseguiu dar amplitude ao Vasco e colocar ele no seu devido lugar. O problema é que ele falava demais, e com isso seus defeitos se sobressairam para com as virtudes e foi certa a mudança de direção.
A chapa encabeçada por Roberto Dinamite concorreu focando-se em um lema: mudança. Porém até agora nada mudou. Não digo mudança do time até porque isso é um trabalho de longo prazo. Eu digo mudança da atitude da diretoria. Acabei de ficar sabendo que venderam o Coutinho por 5 milhões de Euros ao Real Madrid, com o argumento de sanar algumas dividas e pagar salários. Mas será que isso valeria a pena? Para o Real estar interessado é porque o garoto tem valor, e as suas passagens pela seleção provam isso. É o mesmo caso do Alex Teixeira, que no inicio do ano foi sondado pelo Chealse e Eurico supostamente vetou sua venda.
Se é para pensar em longo prazo, pra que vender uma jóia da colina? Para pagar o seguro desemprego da galerada que foi mandada embora?
Espero que eu esteja errado sobre essa administração nova do Vasco. Mas não vejo com bons olhos esse início.
Até porque acabaram de contratar um amigo de Dinamite, que levou pai de santo pra benzer tudo lá, afim de colocar ele em um cargo de confiança no clube.
Se Eurico fizesse seria crime, mas Roberto fazendo agora é mudança de atitude?!?!
Para mim, em ambos os casos seria a perda da noção de bom senso.

domingo, 20 de julho de 2008

Quem, eu?

Sabem o que é vergonha alheia? Quando um cara leva tres travecos prum motel e aparece na Tv você sente vergonha alheia por ele. É quando você se poe no lugar dele e pensa: - Caralho, esse cara se fudeu bonito e não tem como se esconder. Enfim, é uma sensação esquisita, mas o bom é que o fato não foi com você.
MAs e agora, quando você sente uma vergonha alheia, mas na qual muda o foco de personagem para tempo. Simplificando: quando você sente vergonha de você no passado.
Bem, ai é bizarro. Porque você percebe o quanto você era diferente, o quando mudou, vê que o que foi feito não pode ser mudado e fica muito mal com isso.
Enfim, resta esquecer isso. Pois afinal de contas daqui a 10 anos eu vou ler esses textos aqui e talvez sinta uma vergonha alheia absurda disso tudo já dito.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Quem é herói ou vilão?

No meio dessa faixa de gaza gerada pelo caso Daniel Dantas, na qual diversas irregularidades são apontadas ( vazamento de informação, espetacularização das prisões, lavagem de dinheiro, ...) criou-se um jogo. Governantes (isso incluiu membros do governo, PF...) e jornalistas ( isso inclui toda a corja maniqueista) escolhem seus lados, como num jogo bipolar, onde ambos os lados dizem ser os mocinhos e o outro lado é o vilão. Mas o que soa sombrio nisso tudo é: e o povo, onde ele se posiciona nisso tudo???
É esse o ponto em que eu quero chegar. Os jornalistas, de uma maneira geral, não estão atendendo o preceito básico, o da informação à população. Uma emissora reclama de privilégio da concorrente, um jornal da um furo e o outro jornal quase teve uma jornalista presa por tentar da o mesmo furo, um blogueiro é acusado de ladraão e acaba por acusar seu acusador de ladrão tambem.
Diogo Mainardi está em litígio com Nassif, A PF com o Supremo Tribunal, e por ai vai. Esse jornalismo praticado nesses dias esta quase que se valendo do conceito da evolução digital: é impossível acompanhar todas as inovações e reviravoltas; é mais rápido que o consumidor.
Consumidor, essa é a palavra certa. Já que nos tratam assim, desejaria que nos propiciassem um produto imparcial, com informações resumidas em determinados meios e detalhadas em outros meios.
E no meio dessa guerra toda acho que seria pertinente lembrar a jornalistas/governantes: Nós somos seus leitores/eleitores/patrões( no campo de financiar o trabalho) . Lembrem de nós quando abordarem esse caso.

무서움

Furcht, 恐怖, peur, miedo, fear. Em qualquer cultura essa palavra está lá, o famoso medo. Pode se falar que ele faz parte do instinto humano, servindo para nos proteger de um perigo. Existem pessoas que possuem muito medo e outras que possuem pouco. E ele está em diversas areas: seja na hora de pedir alguem em namoro ou até mesmo quando se fala em público.
O remédio para esse mal? Depende do caso. Ele pode variar da cachaça até o gardenal, passando pela força de vontade e culminando na perseverança.
Enfim. Só falei sobre isso porque acabei de arregar para uma ladeira que a tempos atras eu descia de olhos fechados.
E para esse problema acho que o alcool não ajudaria, só atrapalharia.
Sem mais

Obs: Extrema falta de assunto